Processos > F-117 NightHawk

F-117 NightHawk --- Processos

Traduzido por BabelFish

< EF 2000
F-14 Tomcat >

F-117 NightHawk

F-117 Desde os anos 40, a tecnologia do furtivité tinha sofrido apenas um desenvolvimento moderado, mas as guerras do Vietname e o Yom Kippur incitaram o DARPA (agência dos projectos de investigação em defesa avançada) a reclamar o desenvolvimento de um avião furtivo equipado de materiais que absorvem as ondas radar, uma estrutura interna que reflecte as ondas radares (triângulos que retornam que desviam a energia radar distante do emissor) e uma configuração igualmente reflexiva para reduzir consideravelmente a assinatura radar de modo que as defesas adversas não dispusessem de suficientemente tempos para reagir à ameaça, ou "não o ver" de forma alguma. O conjunto das facetas reflecte a energia radar todas as nas direcções, permitindo assim ao avião parecer virtualmente mesmo invisível às plataformas AWACS; este conceito estende-se mesmo à asa, da qual a superfície rolamento compõe-se de dois painéis planos abaixo e três acima a asa. As linhas direitas bannies, e isto é igualmente válido para os painéis de acesso e as portas, das quais um certo número, por a mesma razão, comporta dentures enquanto a cúpula da cabina do piloto é coberta de uma película de ouro. As antenas rádios são retrácteis e, em tempos de paz, o avião porta dos refletores radar externos assim como transpondeurs. Em Abril de 1976, a unidade "Skunk Works" de Lockheed, famoso por ter fabricado o U-2 e SR 71, recebeu encomenda de um contrato de desenvolvimento para dois aviões demonstradores tecnológicos à escala reduzida.

Sob o nome de código corta Blue, o primeiro destes aviões voou primeira vez em 1977 a partir da base de ensaio secreta de Groom Dry Lake, Nevada, com Bill Park às encomendas. Apesar da perda dos dois aviões corta Blue, a experiência adquirida aquando estes de ensaios foi suficiente para permitir à Lockheed obter um contrato para o desenvolvimento de um avião táctico operacional à escala um, concluído o 16 de Novembro de 1978 sob o nome de código Pessoa de hierarquia superior Trend. As lições tiradas dos protótipos corta Blue conduirent à modificações essenciais, nomeadamente a nível da configuração das derivações que foram inclinadas para o exterior e também não para o interior. O primeiro dos cinco protótipos FSD voou o 18 de Junho de 1981 com Hal Farley às encomendas. À origem, a cor destes aviões não era a combinação de preta que é doravante sinónima do F-117, alguns cinzento e outros cobertos de uma camuflagem à dois toms distintos. O avião tinha igualmente empennage de menor dimensão que o dos aviões de série.

Para reduzir os custos e manter o segredo, tentou-se tanto quanto possível utilizar componentes e equipamentos procedentes de outros aviões em serviço, o que permitiu camuflar numerosas despesas do F-117 entre as listas "de peças destacadas" de outros modelos. Assim, o avião possui um comboio de aterragem antes de A-10A, as rodas principais de F-15 E, uma sede ejectável ACES standard e dos ecrãs de cabina do piloto do Hornet F/tem-18 a configuração em flecha do avião impôs a utilização de um sistema de encomendas de voo eléctricas; conformemente, Lockheed escolhe o sistema quadrúplo GEC Astronics dos F-16 que impulsiona élevons duplos e gouvernes de direcção inteiramente móveis.



A base de Tonopah

F-117 Enquanto a produção continuava a um diminuto nível, o exército do ar americano começou a instalar, não distante de Groom Lake, uma base quase também retirada, à Tonopah Teste arranja. A primeira unidade foi declarada operacional em Outubro de 1983 com cinco F-117 e 18 Corsair A-7D que foram utilizado para aperfeiçoar o treino e para fornecer uma "cobertura" de segurança. Todos os voos foram realizados de noite, o que necessitou numerosos ordenamentos a nível do ritmo de vida das tripulações. Este factor jogou uma causa determinante na perda de dois F-117 durante os anos 80. Está apenas a partir de Novembro de 1988 que o F117 foi reconhecido oficialmente pelo Pentágono, que permitiu assim ao "Jorro Preto" efectuar missões de voo de dia.

A partir do Outubro de 1979, a EUA Força aérea começou a seleccionar os pilotos para missões sobre F117, realizando uma selecção meticulosa baseada nas competências em voo, a personalidade e a formação. O 4450ème Grupo Táctico (TG) foi criado em 1980 sobre base aérea de Nellis como unidade operacional, enquanto o primeiro grupo de pilotos foi afectado no meio do ano 1982, no momento em que foi entregue o primeiro avião de série. A unidade foi dividida em 4 grupos, conhecidos sob os nomes de unidade P (sobre A-7D como aviões de cobertura e de aviões seguintes), unidade I ("Nightstalkers'), unidade Q (' Goatsuckers') e unidade Z (' Grim Reapers').' Atrasado, estas unidades constituíram esquadrões, ao passar a ser a unidade I 4450ème o TS (Esquadrão Táctico), a unidade P 4451ème o TS, a unidade Q 4452ème o TS e a unidade Z os 4453ème OBJECTOS EM FORMA DE T (Esquadrão de Avaliação e de Ensaio).

Em Outubro de 1989, 4450ème o TG tomou o nome de 37ème Esquadrão de Caça Táctico (TFW), retomando a denominação do esquadrão de Phantoms' Wild Weasel' baseado George, cujos esquadrões fundiram com 35ème o TFW. As unidades de F-117 repartiram-se em três esquadrões, 415ème o TFS (Esquadrão de Caça Táctico)"Nightstalkers ', 416ème o TFS" Ghostriders ' e o 417ème Esquadrão de Treino ao Combate Táctico (TFTS)"Bandidos". Em Outubro de 1991, o 37ème tornou-se um esquadrão de caça, ao mesmo tempo que as três unidades subordinadas tornaram-se esquadrões de caça. A unidade conservou a insígnia de pássaro de presa do 4450ème Grupo Táctico, mas sobrepondo-o sobre famosa a cruz 37ème do TFW.

O 19 de Dezembro 1989,1e F-117 entrou finalmente em acção aquando de um ataque sobre dois navios da caserna de Rio de Janeiro Hato, durante a invasão do Panamá. Este pequeno baptismo do fogo foi eclipsado falou contribuição do F-117 à operação Tempestade do deserto, durante a qual 42 aviões envolèrent de Khamis Mushait na Arábia Saudita para missões de noite contra o Iraque e o Kuwait ocupado. Utilizando plenamente o seu furtivité, o F-117 cruza de noite os dispositivos defensivos que cercam Bagdad e tirou e guiou as suas armas com mais maior precisão contra a maior parte dos alvos estratégicos da cidade, liberando ao mesmo tempo igualmente a primeira bomba da guerra contra um centro de defesa aérea. Quando, para o fim da guerra, tais alvos fizeram-se cada vez mais raros, os "Jorros Pretos" visaram as pontes e os abrigo antiaéreos. Durante esta guerra, que foi uma demonstração das capacidades técnicas do Oeste, o F-117 foi a Star incontestado. Sob o comando do Tenente o Coronel Ralph W. Getchell, 415ème o TFS foi a estreia a estender-se na região do Golfo, chegando à Khamis Mushait (mais conhecido sob o nome de "Tonopah East ') o 19 de Agosto de 1990. 416ème o TFS foi enviado na Arábia Saudita em Dezembro, e 37ème o TFW, encomendado pelo coronel Al Whitley, foi reforçado por um punhado de aviões e pilotos 417ème do TFTS. _ no total, 1.271 missão combate ser efectuar durante operação tempestade deserto. Ao seu regresso do campo de batalha, o Night Hawks pôde ser observado largamente aquando numerosos meetings aéreos, e em 1992, eles terminou a sua saída da "sombra ' instalando-se sobre base aérea de Holloman, ao Novo- México. Em Janeiro de 1992, 37ème o FW substituiu 49ème o FW.

A EUA Força aérea utiliza o F-117 para ataques contra alvos considerados "altamente estratégicos". São alvos cuja destruição teria um efeito bem mais importante para as capacidades defensivas e ofensivas do inimigo que a sua deterioração. Entre tais alvos, encontra-se os centros de comunicação e de comando, os centros de defesa aérea por sector, as pontes chave, os terrenos de aviação e qualquer o que se assimila.

Após a guerra do Golfo, Lockheed começaram um programa OCIP de desenvolvimento das capacidades ofensivas para o 57 F-117 restantes (sobre os 59 aviões de séries e cinco préséries entregues) com para objectivo de aumentar a sua eficácia ao combate reduzindo cargo de trabalho na cabina do piloto. _ dois ecrã multifonctions cor ser acrescentar, assim como um leitor mapa móvel. Um sistema de afixação à cristais líquidos permite a entrada de dados. Alavancas de gás automáticos são incorporados, ligar ao sistema de navegação, que fornece uma função time-over-target (hora sobre o objectivo) para uma decantação precisa dos ataques. Um dispositivo de autorecuperação é montado igualmente para paliar qualquer desorientação espacial por maus tempos. Desde 1984, o avião foi aperfeiçoado com a utilização de computadores IBM AP-102 em substituição Delco M362F. Uma terceira fase do programa de desenvolvimento verá a adição de um novo captor de aquisição e de designação infravermelha para substituir os sistemas FLIR e DLIR (testados em voo em 1992), e fornecerá igualmente uma central de navegação inertielle gyrolaser Honeywell e um GPS Collins (sistema de localização por satélite).

O RAF e o Luftwaffe manifestaram o seu interesse, e, desde 1987, pilotos do RAF que participam numa troca voaram sobre o avião, em talvez troca de uma permissão ocasional de utilizar as bases aéreas britânicas. Rumores circularam igualmente relativos a um derivado navais que teria sido proposto EUA ao Navy para servir de avião de assalto provisório na sequência da anulação do programa AX em Setembro de 1993. Cognominado "Seahawk", seria à poucas coisas perto um derivado do F-117A básico com um comboio de aterragem de F-14 Grumman e um dispositivo appontage sobre porte-avions, assim como uma cruzeta appontage escamotée sob a fuselagem, de trás as portas de encerramento. O avião é suficientemente pequeno para utilizar um ascensor porte-avions sem ter replier as suas asas. O financiamento do programa F/tem-18 E/F Super Hornet torna o improvável lançamento do programa "Seahawk".

Não existe nenhuma versão biplace de treino do F-117, apesar de rumores segundo os quais um F-117 FSD crashé teria sido convertido em protótipo biplace. Em substituição, os pilotos utilizam simuladores sofisticados e cerca de T-38 para aperfeiçoar o seu treino.



Opções de armamento

F-117 _ embora f ser capaz levar um multidão arma diferente, som armamento padrão ser bomba orientação laser 1000 Kg, que ser versão GBU-10 Paveway II ou versão GBU-27 Paveway doente. Cada versão comporta opções de carga militar, o Mk 84 standard ou BLU-109 para a penetração às paredes mais espessas e mais direitas. O GBIJ-27 foi desenvolvido especialmente para o F-117 porque, embora disponha do sistema de orientação Paveway Doente, possui os lemes do Paveway II que podem ter nos porões de armamento internos do Night Hawk. EUA a Força aérea reside évasive no que diz respeito às opções de armamento do F-117, respondendo todas as às perguntas pela expressão geral "é capaz de levar qualquer que temos em existências", e recusando ter em conta a utilização dos mísseis air-air (AAM) ou mesmo contentores canhões. Alguns insinuam que emporte regularmente o míssil ar-solo AGM-65 Maverick, o míssil ar-solo antirayonnements à elevada velocidade AGM-88 HARM e o míssil air-air AIM-9 Sidewinder, e, de acordo com rumores, haveria propostas de adaptação do avião de modo que emporte internamente uma barquinha TARPS (reconhecimento aéreo táctico) de F-14.


Hechas descubrir este lugar

©2000-2019 Olivier
todos os direitos reservados
CNIL : 844304

174 messages dans le Livre d'or.
854 commentaires vidéos.
O número máximo de usuários on-line : 127 em 27 Septembre 2007 à 22:02:33
-- 14 visitantes --

Version Mobile Tweeter Partagez moi sur Viadeo Partagez moi sur Facebook
FR EN DE IT SP PO NL