Processos > B-2 Spirit

B-2 Spirit --- Processos

Traduzido por BabelFish

< AM-X
B1-B Lancer >

B-2 Spirit

B-2 A asa volante Northrop B-2 foi desenvolvida durante a Guerra Fria e mais maior em segredo como bombardeiro estratégico, furtivo ou indétectable por radar, com para missão de atacar os alvos estratégicos soviéticos com bombas e armas nucleares tiradas a distância de segurança. O B-2 começou a sua existência num programa "preto", conhecido inicialmente sob o nome "Projecto Pessoa de hierarquia superior C. J." "seguidamente sob o nome" Bombardeiro ATB "("Advanced Technology Abaular")." Ao início, os responsáveis da EUA Força aérea criam que o bombardeiro B1 B era a prioridade número um, enquanto que apenas um punhado entre eles conhecia a existência do projecto B-2. Para estes, o B-1 B era uma arma "temporária", esperando o B-2. À o mais extremamente possível da Guerra Fria, USAF tinha previsto adquirir menos de 132.

Apoiando-se largamente sobre concepções de asas volantes precedentes, Northrop beneficiou o potente apoio de Boeing, de Vought e Geral Electric, utilizando um sistema de concepção e de fabrico 3D assistido por computador para conceber a forma única da asa de "W ' do B-2. Mais de 100.000 imagens de superfícies equivalentes radar de maquetas de B-2 e os seus componentes foi analisado para avaliar as suas características de furtivité, seguidas por 550.000 horas de ensaios soufflerie. O programa necessitou o desenvolvimento novo de cem novos métodos de concepção- fabrico, incluindo novos materiais compósitos elevada temperatura e elevada resistência, dos instrumentos de corte ultra-sónico, as ferramentas à encomenda numérica pilotada por base de dados 3D e dos sistemas laser de detecção de enseadas. Northrop é responsável da construção das secções antes e da cabina do piloto, Boeing da parte central-antes e as secções externas, e Vought produziu as secções medianas da fuselagem e as peças de alumínio, de titânio e materiais compósitos.

O B-2 faz um uso intensivo de materiais compósitos graphite/époxy na sua estrutura em ninho de abelhas destinada a absorver, as ondas radar. Para reduzir a assinatura infravermelha, os gases de escape dos quatro turborreactores Geral Electric F118-GE110 são evacuados por tubagens na forma de "V ' subidas acima e em retirada dos bordos de fuga para mascarar estas fontes térmicas aos detectores terrestres. O ácido chlora-fluorosulphonique é injectado na esteira de escape para impedir a formação de rastos de condensação. O bordo de ataque em flecha (331 e o bordo de fuga em dentes de serra prendem as ondas radar. _ outro medida detecção passivo incluir tomada ar arqueado na forma de ' s ' e painel diélectriques furtivo abranger radar banda AN/APQ-181 e impedir som antena reflectir onda radar inimigo qualquer permitir um funcionamento normal. A cabina do piloto é equipado para dois pilotos, com sedes ejectáveis Douglas/Weber ACES II que evacuam para cima, e disposto de suficientemente espaço para um terceiro membro de tripulação. O piloto controla o computador de missão que gere a designação dos alvos (ou o seu redésignation em voo). A navegação e o TIR do armamento são da responsabilidade do oficial sistema de armas (WSO), sentadas sobre a sede direita. Os dois postos de tripulação principais dispõem de quatro ecrãs multifonctions em cor. O aparelho é equipado de um sistema quadrúplo de encomendas de voo eléctricas numéricas que controlam gouvernes de bordo de fuga das asas, combinando as funções de leme, gouverne de profundidade e de vertentes que representam 15% da superfície da asa. Um embrião empennage horizontal serve de compensador de profundidade bem como amortecedor de rabanadas em cooperação com élevons.

Para reajustar a posição do objectivo ao último minuto, o B-2 activo resumidamente o seu radar AN/APQ-181 iluminador uma zona mínima justa antes de lançar o seu ataque. Desde 1987, este sistema foi testado num C-135 de I' LISAF especialmente alterado. _ embora radar ser instalar sobre certo protótipo B-2, qualquer seu ensaio ter ser efectuar sobre c. O B-2 será equipado de um sistema de guerra electrónico, integrando o detector de emissões radar AN/APR50 (ZSR-63) de IBM Federal Systems e o sistema secreto de ajudas defensivas ZSR-62.

O B-2 inicialmente era encarado como um aparelho de penetração à elevada altitude mas, quando a sua concepção definitiva foi fixada em 1983, atribuiu-lhe -se uma missão operacional à baixa altitude. A integração desta nova missão concepção à inicial ATB provocava a deslocação da cabina do piloto e as entradas de ar dos motores, a adição élevons internos (que lhe deu o seu perfil distintivo de "W '), a modificação dos bordos de ataque e as mudanças internas importantes tais único de novas divisórias. Surpresa à geral, USAF publicou, em Abril de 1988, uma vista de artista do aparelho que até tinha sido guardado lá mais maior em segredo. _ seis protótipo (cinco para usaf) ter ser financiar 1982. O 22 de Novembro de 1988, o primeiro aparelho (82-1066) saía do atelier 42 USAF à Palmdale. Northrop tinha organizado uma cerimónia inaugural e tinha tomado grande cuidado dissimuler as principais particularidades da concepção da asa, que arranja-se de modo que os 500 convidados * ver o aparelho apenas antes e desde do solo. Um fotógrafo astucioso descobriu que Northrop não tivesse proibido o sobrevoo da fábrica e pôde obter as primeiras fotografias completas do avião graças a um sobrevoo rápido em Cessna.

O voo inaugural do B-2 teve lugar o 17 de Julho de 1990 (inicialmente previsto em 1987), quando este aparelho (também designado Av-1/Air Vehicle One) foi entregue USAF à Edwards AFB, para começar o programa de ensaios. Previsto o 15, este acontecimento foi atrasado de dois dias por uma insuficiência do sistema de combustível. Foi precedido por uma série de ensaios rouleurs à elevada velocidade o 13, com curto déjaugeage do rodízio de narizes. O 19 de Outubro de 1990, o 82-1067 juntavam-se ao MÉDIO-1. Um programa de ensaios de 3600 horas foi fixado, principiante com 16 voos (67 horas) de certificação e ensaios de maneabilidade. Terminados ao meados de Junho de 1990, estes voos compreendiam igualmente o primeiro abastecimento em voo com um KC-10A, o 8 de Novembro de 1989. Uma segunda série de ensaios começou em Outubro de 1990, levando principalmente sobre as características furtivas em grandeza real. Pôde-se assim descobrir para o primeiro vezes que o B-2 furtivo não respondia exactamente às suas promessas, os voos seguintes foram interrompidos para efectuar modificações sobre do 82-1066. Os ensaios de furtivité prosseguiram-se em 1993, tempo o 82-1067 efectuavam ensaios de carga e de desempenhos. O terceiro aparelho (82-1068) efectuou o seu primeiro voo o 18 de Junho de 1991 e foi o primeiro modelo a ser equipado integralmente do novo sistema aviónica, incluindo o radar Hughes AN/APQ-181 LPI (à fraca probabilidade de intercepção). A primeira liberação de armas por um B-2 foi efectuada pelo quarto aparelho (821069), que tivesse tomado o ar primeira vez o 17 de Abril de 1992. O 4 de Setembro de 1992, liberava só uma bomba inerte Mk84 de 908 Kg. Destinado a receber outras armas e a efectuar ensaios climáticos e de furtivité, o quinto B-2 (821070) tomou o seu voo o 5 de Outubro de 1992, seguido por do 82-1071, o 2 de Fevereiro de 1993. No fim de 1993, o programa tivesse acumulado 1500 horas de voo.

Em Julho de 1991, os defeitos de furtivité do B2 foram revelados, e admitia-se que podia ser detectado por radares ao solo de detecção avançada à elevada potência. Em contrapartida, nenhum comentário vinha confirmar ou desmentir as afirmações russas segundo as quais este bombardeiro seria vulnerável aos sistemas de mísseis SAM de nova geração, como o S-300PMU (SA-10/A ' "Grumble ') e o S-300V-9M83/82 (SA-12A/B '" Gladiator '/' "Giant '). Usaf levou a efeito um conjunto de "tratamentos" sobre os bordos de ataque e as superfícies rolamentos para reduzir a assinatura do aparelho em certas gamas de frequências.

Os problemas de desempenhos do B-2 não o ajudaram na sua luta para o financiamento na frente do Congresso americano. O orçamento inicial contava uma frota de 133 unidades, incluindo os protótipos, mas em 1991, este número tinha sido reduzido à 76. após os seis primeiros aparelhos, encomendados em 1982, três outro foram financiados quando o B-2 era ainda um projecto "preto". Em 1989, fundos foram desbloqueados para três outras unidades, seguidamente dois em 1990, e por último dois outro em 1991. O Congresso bloqueou seguidamente as aquisições à 16.15 para USAF). Usaf afirmou enquanto que não podia garantir uma capacidade operacional eficaz com menos de 20 aparelhos, assim em 1993, o financiamento de cinco B-2 suplementares foi aprovada. Esta autorização de financiamento era acompanhada da condição que os problemas de furtivité sejam resolvidos de modo que a produção possa começar. Os custos por avião (empréstimo ao voo) do programa então tinham atingido 2220 milhões de $. em 1987, as estimativas iniciais do programa de 75 aparelhos ascendiam um total de 64700 milhões de $, mas não é impossível que certas partes do orçamento colossal do B-2 foram consagradas à outros projectos secretos. O orçamento FY1995 compreendia 793 milhões de $ para os equipamentos de apoio e das provisões para o encerramento das cadeias de produção.

O primeiro aparelho USAF (88-0329/' "WM ', '" Spirit of Missouri ') foi entregue 509ème ao BW Whiteman AFB, Missouri, o 17 de Dezembro de 1993, exactamente 90 anos dia para dia após o primeiro voo dos irmãos Wright. Oitavo B-2 de série (MÉDIO-8), é o primeiro aparelho de série standard a ter precedido o MÉDIO-7 nos ares. O MÉDIO-7 então não tinha terminado o seu programa de ensaios intensivos das propriedades electromagnéticas e controlo das emissões, e como o outro aparelho que participa no programa de ensaios em voo, será entregue USAF em 1997. o MÉDIO-9 efectuou o seu primeiro voo o 24 de Janeiro de 1994. 509ème o BW será dividido em dois esquadrões, o 393ème e 750ème o BS. Cada um deles será operacional com oito B-2 em 1996/97. Os dois MÉDIO-8 e MÉDIO-9 são aparelhos homologados Block 10, compreendendo numerosas melhorias de furtivité que resultam do programa de ensaios. Serão alterados seguidamente para definitivamente ser homologados Block 30 (ver as Opções de armamento, abaixo), quando a frota completa for operacional em 1997.

O B-2 falta de superfícies verticais para as marcas de identificação. Consequentemente, as alçapões do comboio principal levam agora o código da base, o número de série FY e pelo menos sobre as 88-0329 legendas "Spirit of Missouri ' (Espírito Missouri) e" Follow EUA ' (sigam).



Opções de armamento

B-2 O B-2 é construído em redor de dois grandes porões de armamento colocados costa à costa na parte inferior da sua secção central. Na frente de cada baía, pequenos spoilers baixam-se para produzir turbilhões que garantem uma boa separação das armas durante a liberação. Lançadores giratórios nos dois porões podem receber uma carga teórica de 34.020 Kg, mas de acordo com a regulamentação americana da guerra (PARAGEM, "Individual Integrated Operational Plano '), nenhuma carga nuclear deve exceder 9072 Kg. Se o B-2 é capaz emporter 80 bombas Mk82 de 227 Kg, é demasiado precioso para ser utilizado como camião à bombas. Num papel convencional, a sua capacidade de tirar 16 armas de precisão sobre uma zona estendida em só uma passagem com uma precisão de 10 m permanece a sua vantagem principal. Os cinco protótipos destinados à I' USAF e o MÉDIO-7, -8 e -9 foram postos ao padrão Block 10. Podem assim transportar 16 bombas nucleares "lisas" B83, ou 16 bombas convencionais Mk84 908 Kg. Para as missões estratégicas com armamento tirado a distância de segurança, o B-2 pode levar 16 mísseis de cruzeiro AGM-69 SRAM II ou AGM-129A. O padrão intermédio Block 20 acrescentar-lhe -á uma capacidade nuclear com o B61 (16 no máximo) ou até à 36 armas convencionais CBU-87, -89, -97 e -98 bem como uma capacidade limitada em armamentos guiados de precisão (PGM) convencionais a partir de 1997. isto implicam a adição de duas novas armas ainda em desenvolvimento. A estreia entre elas é o míssil de cruzeiro furtivo e subsónico AGM-137 TSSAM (míssil de ataque a distância triserviço), dispondo de um alcance de 600 Km e uma carga útil de sobmunições à orientação infravermelha e acústica. Oito mísseis AGM-137 poderiam ser levados, ou seja quatro por lançador giratório. A segunda arma nova é constituída do conjunto à orientação GPS (JDAM). O montado sobre bombas Mk82, Mk84 ou BLU-109, conjunto JDAM permite uma orientação de elevada precisão da arma graças ao sistema de navegação do avião e um sistema de navegação por inércia (SNI) embarcado. Finalmente, será uma arma autónoma, qualquer tempo, dotada de um detonador programável. Os dois último B-2 de série será posto integralmente ao padrão Block 30. Disporã0 da capacidade aos armamentos guiados de precisão (PGM), além de uma carga de 80 bombas Mk82 de 227 Kg, ou 36 bombas à orientação de precisão Mk117 de 340 Kg ou de ainda 80 minas aéreas Mk62. O B-2 Block 30 será dotado dos sistemas operacionais e ofensivos completos e um radar à abertura sintético sofisticado.


Hechas descubrir este lugar

©2000-2019 Olivier
todos os direitos reservados
CNIL : 844304

174 messages dans le Livre d'or.
854 commentaires vidéos.
O número máximo de usuários on-line : 127 em 27 Septembre 2007 à 22:02:33
-- 12 visitantes --

Version Mobile Tweeter Partagez moi sur Viadeo Partagez moi sur Facebook
FR EN DE IT SP PO NL